Os dados do IBGE mostram que em 1999, 76,3% dos municípios contavam com bibliotecas públicas. Esse percentual aumentou para 93,2% em 2009 - alta de 22,1%. Em 2009, 5.187 cidades do país tinham bibliotecas. (Censo IBGE, 2010)

Apesar dessa aparente boa notícia, muitas delas ficam longe da casa dos estudantes, sem acústica, cadeiras e carteiras confortáveis nem abre nos finais de semana e feriados. Falta lanchonete com preços acessíveis, banheiro, e também não existe uma linha de ônibus exclusiva para a biblioteca. É isso que desejo abordar.
A grande maioria das categorias profissionais são filiadas a um sindicato ou organização que zela pela segurança e proteção do trabalhador. Os maiores exemplos são CUT – Central Única dos Trabalhadores e Força Sindical. Até os patrões tem seus Sindicatos Patronais. Dentro das empresas existe a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA, psicólogos, bombeiros civis e outros. Ainda para se proteger o trabalhador contrata seguro de saúde, seguro de vida etc. Essa observação vale para todas as classes, da Presidente da República ao policial – até ele precisa de proteção. Se falarmos dos funcionários públicos, eles tem mais outros benefícios inerentes a carreira.
Com tanta proteção para o trabalhador quais as proteções para o estudante? Não existe lei com pena mais dura para quem assassina estudante. Não existe um ou Código de Proteção ao Estudante. Não confundamos com o Estatuto da Criança e do Adolescente, que tem outra função, embora, em algum momento aproxime proteger o estudante:
“Art. 53. A criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho, assegurando-se-lhes:
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
II - direito de ser respeitado por seus educadores;
III - direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias escolares superiores;
IV - direito de organização e participação em entidades estudantis;
V - acesso à escola pública e gratuita próxima de sua residência.”

Temos o Código de Proteção ao Consumidor, o Código Florestal... Até árvore tem proteção. O trabalhador quando adoece tem o INSS que paga um salário durante a enfermidade.
A explicação que encontro neste momento é porque os estudantes menores de 16 anos não votam nem tem um sindicato. Tem a UBES - União Brasileira dos Estudantes Secundaristas e a UNE – União Nacional dos Estudantes. Elas são União, não são Sindicato.
É comum vermos em Brasília ônibus especiais só para transportar funcionários públicos civis ou militares. Por que não um ônibus de linha especial cujo itinerário seja ‘Biblioteca’. Acredito que esse ônibus incentivaria até quem não está estudando a dar uma passadinha na biblioteca e ter momentos de grande prazer lendo um livro.