Nestes últimos tempos nós brasileiros temos debatido, comentado e até ficado de mal com parentes e amigos quando o assunto é combate à corrupção. A corrupção entrou nas nossas discussões no trabalho, nas reuniões familiares e no boteco com os amigos. Refiro-me à corrupção envolvendo dinheiro público, o famoso crime do ‘colarinho branco’. Os criminosos usam ternos pretos, gravatas vermelhas e camisas brancas... de colarinho branco.

Mas existe outro tipo de corrupção que fingimos não ser corrupção. A nossa corrupção de cada dia, praticada individualmente por nós. Não seria corrupção ultrapassar pela direita para entrar na frente dos demais motoristas? Ou fingir-se de cego e estacionar nas vagas das pessoas com deficiências e dos idosos? Na educação, a corrupção é dos pais que entregam seus filhos na escola e deixam sobre os ombros dos professores a responsabilidade de toda a educação dos pequenos, desde a hora de desligar o celular até obedecer às regras básicas de convivência.

Quero conversar com você sobre a corrupção do ponto de vista político. Existe uma que julgo ‘muito gravíssima’. O que fez o Governo Temer? Negociou a Portaria que trata do trabalho escravo. Para se livrar das denúncias da Procuradoria-Geral na Câmara dos Deputados, o governo negociou a dignidade de pessoas. Ele negociou, os deputados e os empresários aceitaram. Aceitaram que nossos compatriotas que hoje trabalham em condições iguais à de escravos continuem nesse regime de escuridão, continuem na caverna de Platão. Aceitaram que as empresas que contratam essas pessoas não sejam denunciadas nem punidas. Isso é gravíssimo! O Governo Federal negociou a dignidade da pessoa humana. Usou toda a força do Estado para negociar carne humana viva em prol de se manter no poder. Isso é inadmissível num país humanista, dado à caridade e à compaixão. Somos defensores do direito à vida e à liberdade.

Essa é a corrupção que fingimos não ver, que não entra nas estatísticas. Essa medida se aproxima do que Hitler fez quando incinerou seis milhões de judeus para preservar a raça ariana. O que Governo Temer está fazendo? Está deixando essas pessoas pobres, ignorantes e, por isso, indefesas, fora do alcance do poder público. Está tirando delas a chance da justiça, a chance de sair de uma vida cruel e vir para cima, para o sol, para suas famílias, para seu ciclo social e esbanjar dignidade. O Governo Temer está tirando desses infelizes a carteira de trabalho assinada, o salário mínimo, um lugar decente para descansar o corpo e dar asas ao espírito, para comer comida decente para alimentar o corpo e renovar as energias para gritar por socorro, ainda que seu lamento não ecoe na Câmara dos Deputados.

Essa aliança governo-deputados-empresários está tornando nossos governantes indignos, cruéis e sádicos. Aqui não cabe mais o vocábulo corrupção. Fez isso com os escravos do século XXI e pode fazer com qualquer outro tipo de trabalhador. Do ponto de vista desse governo, não tem nenhum problema, não tem nada demais negociar a vida e a dignidade humana, desde que o Governo Temer se mantenha no poder.

Nunca se imaginou que o mundo olhasse assustado para nós. Essa escravidão do século XXI nos levou ao fundo do poço da indignidade. Sabemos que chegamos; saberemos como sair?

Não relaxemos, qualquer brasileiro, ainda que use camisa branca engomada ou camiseta puída, pode se tornar um dos escravos do Presidente.