Especialistas políticos dizem que muitos corruptos que desviaram dinheiro público se reelegerão nas próximas eleições apesar de estarem com seus nomes enlameados por causa da Operação Lava Jato.

O vocábulo corrupção vem do latim corruptiõ õns, que significa ‘estragar, decompor’, ‘perverter, depravar’.

Já fizemos diversas passeatas e cartazes contra a corrupção. Apesar de essa corrupção nos envergonhar ainda assim reelegeremos alguns corruptos. Por isso, algumas perguntas são essenciais para refletirmos sobre esse fenômeno: quais seduções os corruptos usaram para levar seus eleitores a votarem neles? Como conseguiram, com palavras e maneirismos, encantar seus eleitores? Apesar das denúncias, como conseguiram passar credibilidade à população?

A Rede Globo tem um programa que pergunta ‘Que país você quer para o futuro?’ Vemos nos depoimentos que é notória a insatisfação do cidadão comum com a corrupção. Mas os entrevistados só destacam a corrupção dos políticos. Ninguém fala das corrupções diárias de cada um de nós, da minha e da sua. Senão vejamos:

  • Não seria corrupção o ato de o médico, mesmo sabendo que existe um medicamento mais barato, passar o mais caro ao paciente?
  • Não seria corrupção o ato de o usuário de drogas da classe média e alta comprar drogas e assim alimentar o tráfico? Teria ele certo grau de culpa pelas balas perdidas que matam crianças inocentes? Não estariam naqueles projéteis alguns centavos que ele gastou com a droga?
  • Não seria corrupção o ato de o advogado, mesmo sabendo que seu cliente é culpado – diante das fartas provas por desviar dinheiro público, usar de discurso eloquente com palavras rebuscadas para fazer parecer que o cliente é inocente e assim livrá-lo da pena?
  • Não seria corrupção desrespeitarmos as leis do trânsito e com isso provocarmos a morte de 50 mil pessoas por ano no Brasil?
  • Não seria corrupção sairmos de férias enquanto 13 milhões de brasileiros não tem o que levar para casa ao fim do dia porque estão desempregados?
  • Não seria corrupção chegarmos atrasados nos compromissos?

Estaríamos combatendo a corrupção se fizermos um pacto de não praticarmos essas nossas ‘invisíveis’ desonestidades? Se fizermos isso não estaríamos dando um recado aos políticos que não mais toleramos corrupções?... Nem as nossas!

Ora, se o programa da Globo mostra uma enxurrada de protestos contra a corrupção e ainda assim os corruptos estarão de volta ao poder, não estaríamos em contradição entre o que desejamos e o voto que depositaremos nas urnas?

Antes de exigirmos honestidade dos políticos não deveríamos cuidarmos das nossas honestidades?