Crônicas

A felicidade na fotografia

“Amar é dar de si mesmo, e dar consiste
na experiência da felicidade. A felicidade
consiste na plenitude da vida.”
Sri Ram

Conheço vários colegas fotografos que já foram premiados ou condecorados em diversos concursos e exposições. A alegria deles quando suas fotografias são selecionadas é inexprimível. E é sobre este contento que quero refletir com vocês.

Quando recebem a notícia da seleção, a felicidade deles é tamanha, e a generosidade maior ainda, que compartilham esse contentamento com os amigos nas redes sociais. Bradam ao mundo que estão felizes. Esbanjam alegria. É como se eles gritassem: ─ Colegas, minha foto foi premiada, estou feliz, quero que fiquem felizes também!

No entanto, eles divulgam apenas as vitórias. Não ficamos sabendo das frustrações deles pelas fotos rejeitadas. Aumentou a generosidade deles ao nos poupar das tristezas e decepções. Talvez queiram passar-nos apenas o lado bom, bonito e alegre da vida... Sentimentos que elevam nossa alma!

Quero refletir com vocês os três momentos felizes que a fotografia nos traz. A primeira é quando o fotógrafo faz o clique e confere a beleza da cena. A segunda é quando ele seleciona aquela fotografia para participar do concurso. Aqui é o ápice da carreira da fotografia. Ela recebe a missão de representar alguém maior que ela, seu criador, sua cidade, o país. Vai para fazer história assim como as fotografias de Cartier Bresson, Vivian Meier, Steve Mccurry e tantos outros.