Crônicas

AS GUERRAS DE TODOS NÓS

“Antes de sair para arrumar o mundo, arrume sua cama”
Autor não identificado

A notícia que 100 brasileiros se ofereceram para lutar ao lado da Ucrânia contra a Rússia trouxe vários debates em torno deste assunto e causou estranheza a muitos estudiosos e à população em geral.

Devemos elogiar a coragem de quem defende os mais fracos, daqueles que se esforçam para colocar em ordem o que está fora dos trilhos. Essa é uma virtude grandiosa. Por isso meus parabéns a esses corajosos brasileiros.

Nesse contexto convido vocês à reflexão sobre outras guerras em nosso país, onde brasileiros ao nosso lado, na nossa cidade, estão perdendo a batalha para os mais fortes.

A primeira é a guerra no trânsito. Em 2021 a pandemia nos obrigou a ficarmos dentro de casa, ainda assim 11.647 pessoas morreram no trânsito, ou seja, a cada dia, 32 pessoas perderam a vida em acidentes fatais nas estradas brasileiras. Antes da pandemia esse número foi pior, 45 mil vítimas.

O total de acidentes em 2021 foi 632.764, o que corresponde a 72 acidentes por hora no Brasil. Mais de seiscentos mil acidentes em apenas um ano é fato que merece a atenção de todos nós.

Cuidar para que nos próximos anos não tenhamos esse número absurdo de 11.647 compatriotas mortos é uma guerra que nos chama para o campo de batalha. Tirar o pé do acelerador, não falar ao celular enquanto dirige ou não dirigir após consumir bebidas alcoólicas são algumas batalhas que nos chamam para o front.
Sabemos que existem ONGs e pessoas voluntárias que se dedicam à paz no trânsito. Mas como os números revelam, precisamos de mais voluntários.

A segunda é a fome. Em 2021 mais de 116 milhões de brasileiros conviviam com algum grau de insegurança alimentar, dos quais 43,3 milhões não tinham alimentos suficientes e 19 milhões passavam fome.... um batalhão de 19 milhões de famintos? Isso mesmo! Sabemos que existem ONGs e pessoas voluntárias que fazem campanhas de arrecadação de alimentos, embalam, organizam filas e distribuem comida aos nossos conterrâneos. Mas como os números revelam, precisamos de mais voluntários.
A terceira é trazer de volta para educação e saúde os R$4,9 bilhões que os partidos políticos surrupiaram dos nossos bolsos. Isso mesmo. Nestes tempos em que a internet e as redes sociais modificaram nossos modos de comprar, vender, divertir e conviver, não faz sentido essa dinheirama para os políticos financiarem suas carreiras. Lembramos que quase todos os 594 parlamentares no Congresso Nacional aprovaram essa lastimável ideia.

Sabemos que existem ONGs e pessoas voluntárias que se dedicam a informar a população sobre o que acontece na política. Apesar de as caixas de e-mails dos parlamentares terem entupido de tantas mensagens contra a destinação desse dinheiro, o esforço não foi suficiente para eles entenderem o recado das ruas e pararem com o escárnio. Precisamos de mais voluntários tanto nas ruas como nas redes sociais empunhando o título de eleitor.

Não citei as meninas e meninos vítimas de violência sexual doméstica que precisam da nossa ajuda, faltou falar da conscientização dos políticos e da população para não poluir nossos mares e rios, nem do esforço necessário para separarmos o lixo reciclável etc. Como podemos perceber existem grandes feitos que ainda esperam por heróis aqui no Brasil. Se cada um de nós travarmos uma batalha, ainda que seja apenas ao nosso redor, estaremos ajudando dezenas, centenas, quiçá milhares de brasileiros. Escolha uma batalha... A sua guerra é todos nós